Endividamento se mantém estável, mas cai o índice de famílias com contas em atraso na Capital

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) aponta que em março o índice de famílias endividadas, ou seja, com contas como cheques pré-datados, cartões de crédito, carnês de lojas, empréstimo pessoal, prestações de carro e seguros, se manteve praticamente estável, com ligeira alta, de 62,4% a 62,7%.

Por outro lado, o índice das que relataram ter contas em atraso caiu de 31,1% a 30%  e as que informam que não terão condições e pagar suas contas passou de 13,3% a 13%.“Desde novembro o  indicador de inadimplência vem cedendo, com a melhora progressiva da economia, mas ainda é um ritmo lento e há fatores que impactam nesses resultados, como a inflação que impacta no orçamento das famílias”, avalia o presidente do Instituto de Pesquisa da Fecomércio MS, Edison Araújo.Quanto ao meio de endividamento, o cartão segue como o principal, apontado por 69,1% dos entrevistados, seguido dos carnês (19,3%) e financiamento de casa (14,7%).

Confira a pesquisa na íntegra:

PEIC março 2022