Em Campo Grande, pesquisa revela melhora nas vendas, mas comércio ainda está cauteloso  

Em Campo Grande, os impactos da pandemia já estão menores. É o que aponta pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio (IPF-MS), em parceria com o SEBRAE/MS, Sindivarejo Campo Grande, CDL Campo Grande e FCDL. De acordo com o levantamento, em setembro 43% dos empresários afirmaram que tiveram redução no faturamento, ante aos 87% de abril.

“Setores como o da saúde, ótica, beleza e de serviços autônomos são os que mais registram aumento no faturamento, o que demonstra uma recuperação, ainda que pontual, do comércio de serviços”, explica o presidente do Sindivarejo Campo Grande, Edison Araújo. Outro motivo de otimismo é a perspectiva de menos demissões para os próximos três meses: apenas 11% pretendem fazer algum desligamento, enquanto que – em abril – esse índice era de 25% e, 12% pretendem realizar contratações.

“26% dos entrevistados realizaram demissões, 25% reduziram a jornada de trabalho e outros 22% suspenderam os contratos no início da pandemia, como medidas de ajustes no quadro de colaboradores. Os indicadores atuais levam a crer que estamos saindo do pior momento da pandemia”, afirma o secretário-executivo do Sindicato, Sebastião Conceição.

Apesar do cenário positivo, a maioria dos empresários (57%) afirma que precisarão de crédito e 60% dizem que pretendem investir nos negócios no pós-pandemia.

Consumidor – Se o emprego diminuiu, o trabalhador precisou se reinventar e buscar alternativas. De acordo com o levantamento, 21% da população mudou de área profissional. Oferta de serviços de delivery (19%), vendas em geral (17%) e prestação de serviço como faxina (17%) foram algumas das opções encontradas para melhorar a renda nesse período.

Expectativas de final de ano – Apesar da recuperação neste último quadrimestre, para o período de final de ano, os comerciantes acreditam que os gastos tenderão a ser menores, no comparativo a anos anteriores, seja no Natal ou no Ano Novo.

A pesquisa foi realizada entre os dias 22 de junho a 6 de julho com consumidores (5% de margem de erro) e entre 15 de setembro a 02 de outubro com empresários (8% de margem de erro). O nível de confiança é de 95%.

Acesse a pesquisa Impactos covid – Campo Grande (2)-compactado