Intenção de consumo dos campo-grandenses atinge maior nível desde maio do ano passado, mas desafio persiste

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) campo-grandenses atingiu neste mês de outubro 90,6 pontos, ainda na chamada zona negativa, que é abaixo dos 100 pontos, mas uma reação de 1,7% em relação a setembro e de 9,15% se comparada a outubro do ano passado. A pesquisa é da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O ICF atingiu neste mês o maior nível desde maio de 2020, período de recrudescimento da pandemia.

“O avanço da vacinação e horizonte de normalidade já refletem na reação econômica, embora ainda haja um longo caminho para alcançar os níveis pré-pandêmicos, que já estavam arrefecidos”, avalia o presidente do Instituto de Pesquisa da Fecomércio MS – sistema comércio, Edison Araújo.

De acordo com o estudo, as perspectivas de consumo e avaliação para a compra de bens duráveis tiveram as oscilações positivas mais significativas de outubro. Outro dado que merece destaque é que desta vez 8,5% dos entrevistados informaram estar desempregados contra 17,2% em outubro do ano passado. Além disso, 19,2% informaram que a renda piorou, enquanto em outubro de 2020 eram 28%.  Ainda assim, merece atenção o índice de famílias que informam que estão consumindo menos que em igual período do ano passado, 57,6% e 44,9% acreditam que nos próximos meses o consumo da família deve ser ainda menor que no fim de 2020.

Confira o ICF na íntegra :

ICF outubro de 2021