Intenção de consumo na Capital atinge menor nível desde setembro

Reflexo da pandemia, a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) de Campo Grande atingiu, neste mês de maio, o menor patamar desde setembro do ano passado, voltando para a zona negativa (abaixo dos 100 pontos), com 99,3 pontos. A pesquisa é desenvolvida pela Confederação Nacional do Comércio (CNC).

Desde março, quando foram adotadas medidas de isolamento social para combater o avanço do coronavírus, o índice vem regredindo. “Um dos fatores que mais impactou nesse resultado foi a redução de vagas de trabalho, gerando um efeito dominó na economia”, explica o presidente do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio MS (IPF-MS), Edison Araújo.

A economista do IPF, Daniela Dias, explica que de abril para maio o índice que afere as perspectivas profissionais recuou 5,2% e 3,7% a percepção quanto à renda atual, bem como o nível atual de consumo (-2,8%) e a perspectiva de consumo (-3,8%).

“Vemos que já é maior também a dificuldade para acessar o crédito, hoje 25,4% relatam que o acesso ao crédito está mais difícil. Também é maior a parcela de consumidores que diz que reduziu o consumo em relação ao ano passado, 42,5%”, diz a economista, enfatizando que o empresário, para se manter no mercado diante da nova realidade, precisa estar atento ao novo modelo de negócios, que passa, principalmente pela compra a distância com entrega.

Confira o estudo na íntegra:

ICF-_-maio-2020