Shoppings projetam alta de 5% com o Dia das Crianças

Pesquisa da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) revela que os shoppings estão otimistas em relação às vendas para o Dia das Crianças e esperam uma alta de 5%, em relação ao mesmo período do ano passado.

A categoria que irá alavancar as vendas será brinquedos, seguida por vestuário e calçados. Para atrair as famílias e as crianças, os shoppings investem em atrações infantis, como teatros e musicais. A aposta para celebração da data se concentra nos cinemas e nas praças de alimentação.

De acordo com o monitoramento de mercado da Abrasce, o setor de shopping centers fechou agosto com alta de 8,6% no comparativo anual, avançando em relação a julho, que cresceu 1,1%. Além disso, no mês, as vendas em shoppings centers mostraram crescimento superior ao registrado pelas lojas de rua, que cresceu 7,8%.

Impulsionado pelo Dia dos Pais, o setor registrou desempenho superior ao mercado. Segundo Glauco Humai, presidente da Abrasce, o resultado deve-se ao movimento de inovações apresentadas pelos shoppings. “Temos visto grandes movimentos dos empreendimentos quanto a novas operações, desde espaços de vendas multicanais até serviços de delivery que proporcionam aos frequentadores uma experiência única e completa, e que se une aos pilares de comodidade e segurança que são reconhecidos como referência”, arma.

Entre os segmentos, o destaque do mês ficou por conta das lojas de vestuário, que cresceu 13,25%, seguido por perfumaria, produtos para o lar, telefonia e artigos diversos.

O mês de agosto também ganhou destaque pelos resultados de vacância, que atingiu o menor nível de 2018, fechando em 4,5%. Esse resultado é consequência do crescimento dos shoppings brasileiros e dos novos modelos de lojas que passaram a migrar para os shoppings. “Reforço sempre que os shoppings não são mais apenas centro de compras, passaram a ser espaços de convivência com uma oferta de mix e serviços cada vez mais abrangente. Refexo dessa tendência são os índices de vacância que se mantêm estáveis ou em queda”, declara Humai.

No acumulado do ano, de janeiro a agosto, as vendas somam alta de 3,83%, em comparação ao mesmo período do ano passado. E, apesar das incertezas no ambiente político do País, a curto prazo, o setor está otimista, visto as importantes datas do varejo que se aproximam. “Estamos a um mês da Black Friday e a dois meses do Natal, importantes datas de movimentação do comércio. O setor tem acumulado um desempenho de crescimento em torno de 4%, o que nos deixa otimistas e confiantes em fechar dentro do previsto, com alta entre 5% e 6%”, arma Humai.

Fonte: Jornal do Comércio