Vendas dos shoppings sobem 23,6% em 2021, diz Abrasce

As vendas do setor de shopping centers mostraram uma recuperação relevante no ano passado, mas ainda estão abaixo do nível anterior à chegada da pandemia.

As vendas totalizaram R$ 159,2 bilhões em 2021, o que representa crescimento de 23,6% na comparação com 2020, quando ficou em R$ 128,8 bilhões. Na época, muitos empreendimentos ficaram fechados por semanas e depois foram reabertos com funcionamento parcial.

Já na comparação com 2019, ano de operações normais, houve queda de 17,4% nas vendas. Naquele ano, as vendas foram de R$ 192 bilhões.

Os dados foram divulgados  pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce). A pesquisa abrange 620 empreendimentos do ramo em todo o País.

“O grande motor para o crescimento das vendas foi a volta das pessoas aos shoppings. Em 2020 tiveram muitas restrições à circulação da população, e os shoppings permaneceram fechados por muito tempo”, afirma o presidente da Abrasce, Glauco Humai.

“Já em 2021, começamos o ano com restrições, mas elas foram liberadas à medida em que a vacinação avançou”, complementa.

A volta dos visitantes aos shoppings também foi impulsionada pela demanda reprimida da população por idas a restaurantes, teatros e cinemas, além de um certo cansaço em fazer compras unicamente pela internet, avalia Humai.

“Em nossos estudos internos, percebemos uma exaustão. O consumidor sentiu falta de pegar o produto na mão e experimentar”, diz.

O presidente da Abrasce aponta ainda que as vendas nos shoppings poderiam ter sido melhores se não fossem os efeitos negativos da inflação e dos juros altos – que reduziram o poder de compra dos consumidores e encareceram a tomada de crédito.

Sem contar o desemprego, que caiu menos do que o potencial e seguiu elevado, na sua avaliação.

“Os indicadores macroeconômicos foram piorando ao longo do ano e não contribuíram positivamente para o resultado do setor. Poderia ter sido melhor”, destaca.

Mais dados da pesquisa – Em 2021, foram inaugurados cinco shopping centers, e o total de lojas cresceu 1,5% em relação a 2020, passando de 110 mil para 112 mil unidades.

O número de inaugurações ficou abaixo da média dos últimos cinco anos, que foi de 12 por ano. “Comparando com a série histórica, o número foi ruim. Mas, olhando friamente, o resultado foi positivo considerando que estamos em meio à pandemia e à crise econômica”, analisa o presidente da Abrasce.

A área bruta locável (ABL, área disponível para lojas) também subiu 1,5%, para 17,2 milhões de metros quadrados. Os espaços vagos caíram de 9,3% para 6,1% no período – patamar ainda acima da média histórica, de 5,3%.

O número médio de visitantes ao mês foi de 397 milhões, uma elevação de 16,4% na comparação com o ano anterior, quando a média mensal foi de 341 milhões.

O número de pessoas empregadas no ramo aumentou 2,1%, passando de 998 mil para 1,02 milhão.

Fonte: CNN Brasil

Foto: Pixabay