Fecomércio MS pede que óticas sejam incluídas no rol de serviços essenciais

Nesta terça-feira(23/03), a Fecomércio MS protocolou documento solicitando à Prefeitura Municipal de Campo Grande que as oticas sejam incluídas no rol de serviços essenciais. Segundo o presidente da Federação, Edison Araújo, a reivindicação baseia-se no argumento de que as empresas são essenciais na produção de lentes e aviação de receitas médicas, incluídas no rol identificado no anexo ao decreto 14.683 de 19 de março.

“Não há dúvidas para nós que esses estabelecimentos, por serem locais onde se exercem atividades relacionadas diretamente com a saúde, cumpre o que se exige no decreto”, argumento Edison Araújo.

No documento, a Federação afirma que “o momento é desconforto para a sociedade e para o setor produtivo, pelo volumo de pessoas acometidas pelo Covid-19, levando o executivo a editar decretos como o da semana passada que restringem a abertura de estabelecimentos comerciais e de serviços no município, entretanto, existem atividades que deixaram de constar no anexo em suas edições.”

De acordo com a empresária Célia de Souza Silva, que representa o setor ótico no Sindivarejo Campo Grande e  é representante da Fecomércio MS na Câmara Brasileira do Comércio de Produtos e Serviços Ópticos (CBÓptica), pede que o Executivo olhe com atenção para o setor. Segundo ela, muitos donos de óticas são proprietarios sem funcionários ou tem apenas um, o que não gera aglomeração nem risco à saúde. “Sem falar que todos os comerciantes cumprem a legislação: seja no tocante ao número máximo por cliente na loja, sejam as medidas de biossegurança. Não podemos pagar essa conta, pois não somos responsáveis pela aglomeração”, justifica.

 

A comerciante diz que o setor vem acumulando perdas há vários anos, sendo que – entre dezembro do ano passado a fevereiro de 2021 – as vendas caíram ainda mais. “Mal pagávamos aguá e luz. Estava tendo um pouco de reação neste início de março”, alega. De acordo com ela, o setor reune 300 empresas em Campo Grande e emprega 300 funcionários. “São 300 famílias em risco”.