Pesquisa de intenção de compras e comemoração em Campo Grande mostra a tendência para este Natal

O comércio de Campo Grande deverá receber um aporte de R$129,24 milhões conforme pesquisa de Intenção de compras para o período do Natal e uso do 13º salário realizada pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento (IPF MS) e Sebrae MS. O levantamento foi realizado entre os dias 13 e 24 de novembro com 276 pessoas, considerando 95% de confiança e 6% de margem de erro.

“Queremos proporcionar aos empresários a informação mais clara e direta, a fim de que eles tomem decisões sobre as melhores estratégias para otimizarem as vendas, contemplando – inclusive – os do segmento de mercados e afins”, explica o presidente do IPF, Edison Araújo, que é presidente do Sindivarejo Campo Grande. “No relatório constam média de preço, o que será decisivo na hora de fazer as compras e a forma de pagamento. Ou seja, questões que impactam diretamente o empresário”.

De acordo com a pesquisa, 30% dos consumidores afirmaram que comprarão presentes, representando um aporte de R$ 38,8 milhões na economia. No que tangem as comemorações, 34% participarão das festividades de Natal ( R$ 44 milhões) e 36% garantiram que também que gastarão nas festas Ano Novo, o que significa um giro de R$ 46,4 milhões.

Sobre presentes – De acordo com o levantamento, o gasto médio com presentes será de R$ 179,60, sendo que 64% dos entrevistados tenderão a comprar até dois presentes. Entre os mais presenteados estão: filhos(as) (30%), mãe (17%), esposa(o) (16%).

“A pesquisa mostra ao empresário o que os entrevistados querem comprar e o que querem ganhar, fornecendo assim uma perspectiva de como o empresário deve programar seu mix de produtos”, conta Edison Araújo. O levantamento aponta que 42% dos entrevistados comprarão roupa, 24% brinquedos e 10% calçados. Itens de perfumaria e cosméticos são a preferência de 9%. Ao serem questionados sobre o que gostariam de receber de presente, houve indicação de roupas (31%), celular (14%), perfume/cosmético (10%), calçados (5%) e carro (4%).

A principal forma de pagamento será o dinheiro (86%). “É a oportunidade do empresário melhorar o fluxo de caixa. A pesquisa mostra que a qualidade (40%), o preço (37%) e o atendimento (18%) serão os elementos principais levados em consideração pelo consumidor. Mas é a experiência de compra que determinará se o cliente voltará ao estabelecimento, a fidelização”, sugere Edison.

Especialistas sugerem que o empresário treine os seus vendedores, que fazem a linha de frente com o consumidor. A economista do IPF MS, Daniela Dias, indica que o vendedor deve ter um bom atendimento, de modo a entender as necessidades de seus clientes, ao apresentar algumas opções como Kit de produtos como sugestões, principalmente, aos consumidores indecisos e divulgação dos produtos. São sugestões para otimizar as vendas e tornar a loja e seus produtos mais conhecidos para o consumidor”.